16.1.18

“padre paolo”





houve muita controvérsia
quando acharam teu corpo,
um césar da noite romana,
na zona da mata eles viram
teus bolsos cheios de areia,
um pedaço de carne torcido
mas há muitas controvérsias,
dizem uns poucos incrédulos
como eu – já outros dizem
veja! é aquilo um coração?
ter abandonado os dois lados
não te deixou opção se não,
velhíssimo, forçar tua vida,
apontar a síncope do útero,
buscar na penumbra do sexo
a bestialidade do retorno,
ultrajante suspensão do tempo
de um mundo que usa fraldas
e lambe o cano de uma arma.
mas há sempre controvérsias
em morrer no dia dos mortos,
em dizer vamos dar uma volta?
te dou um presente se você vier.
antes vimos quando você pôs
eros numa cruz gritando marx:
paga-se caro por ser insistente.
você pediu amor com um bastão
e só ganhou esse pavor imenso.
mas há mil controvérsias,
só o que temos é um corpo
espancado, ensanguentado
e um coração que explodiu.

13.1.18

“pelas costelas quebradas”


TODOS CHORAM AO MESMO TEMPO NO BRONZE DA TIRANIA
(Roberto Piva)

outrora habitou palácios de morfina
onde havia filas de pobres coitados
que rompiam chances com coragem.

com barriga inchada caiu o veneno
e nas madrugadas de roleta russa
ribombaram as janelas do pânico.

foi sorte ter rasgado os membros
quando engordou de afeto
nas muralhas do riso comum.

agora colhe madeira fina
e periga um proprietário
vir tomar o que nem serve.

já passa da uma, apenas água
e a projeção desesperada
de alguma grave reposição.

sem fadas dorme como um martelo
cozinha berinjelas com alho e cebola
maneja a vida nova com leme curto.

de modo obsessivo teve medo do chão
lambeu o chão de que teve medo
foi pomba aleijada que verso não salva.

ainda assim fica a faísca de uma roda
alguns bons camaradas reptilianos –
a promessa de uma jornada ao frio.

outrora patinou pelas ruas com mil quilos
                                 todo peso do mundo
                           na explosão de uma pena.

com seqüelas inevitáveis busca nas lacunas
reaprender o que de essencial carrega
essa vontade ancestral de espatifar-se.

         talvez porque apenas pode ver o que se quebra
um lindo pássaro que pulsa diante da janela fechada
                 – a felicidade sempre se apresentou assim.

24.12.17

Let Us Have Madness Openly (Kenneth Patchen)




Let us have madness openly, O men
Of my generation. Let us follow
The footsteps of this slaughtered age:
See it trail across Time's dim land
Into the closed house of eternity
With the noise that dying has,
With the face that dead things wear--
                                     nor ever say

We wanted more; we looked to find
An open door, an utter deed of love,
Transforming day's evil darkness;
                   but
We found extended hell and fog
Upon the earth, and within the head
A rotting bog of lean huge graves. 

                      *** x ***

Permita-Nos a Loucura Abertamente

Permita-nos a loucura abertamente, Ó gente
Da minha geração. Deixe-nos seguir
Os passos dessa era de carnificina:
Seu rastro cruzando a terra turva do Tempo
Dentro da casa fechada da eternidade
Com o barulho que morrer tem,
Com a cara que as coisas mortas usam –
                                       e nunca dizem

Queríamos mais; procuramos achar
Uma porta aberta, uma proeza de amor,
Transformar a escuridão maligna do dia;
                   mas
Ganhamos inferno prolongado e névoa
Sobre a Terra, e, por dentro das cabeças,
Um pântano podre com túmulos imensos.


*poema do livro Before the Brave (1936), tradução Leonardo Marona.

22.12.17

“a fruta mais estranha”


machucados e alegres
tocamos a revolução.
uma revolução que é
ao mesmo tempo ser
condescendente com
nossos vícios e vetos.

se pagamos as contas
tornamo-nos tristes.
se não pagamos, então
periga nos matarmos.

as antigas gerações
nos pedem fiado
uma gosma chamada
“noblesse d'esprit”.

damos nomes
a nossos filhos
de heróis caídos
que já se foram
e que no fundo
nós duvidamos
se algum dia
já estiveram.

nosso cotidiano revolucionário
consiste em nunca estar salvo,
mas estar sempre precisado
de algum tipo de salvação.

com essa falsa expectativa
untamos nossas artérias
de plástico duro como são
as tubulações de hoje em dia.

amarrados em árvores floridas
sorrimos e sapateamos a morte
essa fruta mais estranha bem ali
indiferente ao nosso lindo pomar.

22.8.17

"a cidade"


faço os supercílios de escovas
para arrancar meu corpo da cruz
e trazer algodões doces na alma.
assobiar os lamentos sanguíneos
aos que amam e aos que perdem.
obedecer ao sacrilégio das patas
que com cascos sabem dar adeus.
com a benção do poder superior
honrar os beijos dos iniciantes
sem temer que o cinza que se vê
nos lábios que eu faço de cinzel
seja tudo que não vi quando fiz
da língua um barbante de limo
e da poeira aos poucos o rastro
verde de um catarro aniquilado.
faço das unhas nas paredes a voz
que como nada mais pode perder
avança sem pensamento no vazio
da ruga ancestral que emporcalha
a beleza da queda pela melhoria
com que torço como se parafusos
orelhas ao premeditar minha fuga.

"dentes de carne"


azul como o que cerca
teus dentes de carne.
o mistério da máquina
sufoca a voz do ventre
e geme de luz o olho.
penélope charmosa
cavalga cão rabugento
no desafio das cores
que se abrem no leque
da carne estapeada
no mistério da morte.
calamos de cócoras
amor a contra-vento.
zunimos em sonhos
umedecidos de pus.
não sabemos mais
que olhos beijamos.
estamos aturdidos
à margem do caos.
margear entranhas
na ponta do delírio
azul como o que cerca
teus dentes de carne
vento frio que faz alma
na garganta do teu cio.

"para meu amor, da cidade de gelo"


eu sinto muito, meu amor
que a rainha dos dragões
não poderá de fato salvar
o tal mundo de gelo nosso
e que as coisas perderão
mais uma vez o sentido
depois que não há mais
dragões cuspindo fogo
nem donzelas platinadas
ou sanguinários atraentes.

mas o que sinto por você
quero que também saiba
cuspir fogo para manter
pulsante o que é de gelo
no jogo entre selvagens
o escambo entre zumbis
a grande muralha de fel
e que a nossa imaginação
seja capaz de cuspir fogo
ainda por muitas dinastias.

andar no fogo é preciso
para manter os dragões
seguros e dóceis e a crise
do outro lado do fim.

os impérios são fantasias
e os escombros da causa
sobrevoam nossas ruínas.

não é possível afinal
que alguém siga
do gelo ao fogo em tão pouco tempo.

provavelmente a partir de agora os dragões
monstros lindos que todos aguardamos
terão olhos frios e fuzilarão com neve
a nossa parca cidadela.

não haverá os intervalos eletrizantes
enquanto nada mais no mundo acontecia
e nós sonhávamos com deusas mexicanas platinadas
voando por sobre a costa das montanhas
com seu eunuco de estimação.

a cidade dos nossos sonhos não existe mais
e precisamos engolir os restos
para excretar nossa imaginação.

e assim criar novos monstros alados
que se moldem com singeleza nos bolsos do nosso afeto
e que possamos nomear enquanto desaparecemos.

20.8.17

"para amigos que me amam"






é um pouco preocupante
que se esteja velho o suficiente
para que o mundo não seja
jamais liderado por dragões
ventríloquos – só de imaginar
já me sinto um otário pleno
e meus amigos que mais amo
e que são dragões com estirpe
também arregalam os olhos
apesar de toda habilidade
em pensar que já estamos
juntos mas o quanto mais
amo nessa esfera morreria
como amante inglês deslocado
que mente sobre malcolm lowry.

todos sabemos do que estamos
falando quando damos as mãos.

isso é lindo o sorriso que estanca
como tudo seja patético levemos
seriamente nossa violência ímpar
sem vergonha naquilo que range.

como nossa amizade é comprida
e que companhia pode entrar aí
nesse buraco que dizes é belo?

são as tias das antigas sungas
quando eras gordo e todo teu
excremento era teu orgulho.

existe essa coisa muito louca
que é nos amarmos sem mérito.

és companhia e não sabes mais
que diabos farás com os lábios
para ser essa coisa terna labial
e como empresa de outras leis
pessoas como nós e que dizem
cuidado com a rua você pode
morrer assim estamos juntos.

cheguei em casa os gatos não
comem como se me amassem.

existe algo grave que termina
terrível destino dos meus pés
como alguém sério anti-crime
e tal o susto da falta de balões.

ao mesmo tempo alguém ruim
para ser amado ajudado anulado
algo que seria vitória para quem
não ama e mostra como se vive
algo que um coitado diga é belo.

somos os coitados e adoramos
o amor que não se colhe fino
mas se diz marotamente ajudo.

colhe-se grosso no medo temo
perder o estilo a fome rude sim
da barriga cheia sem entender
que não se leva nada senão
o ódio de si mesmo ao ponto
de amar-se como uma loucura
e pedirmos tolos a quem se ama
que não envelheça fora de nós.

os coitados sem ação plena                           
que não voltem assim sós
para casa é perigoso é frio
mas o calor é a maior idéia
do mundo em pleno inverno.

a estupidez o amor a falha veja
é a coisa mais bonita e temos
calos o suficiente para dizer:
sacolas na mão não reclame.

5.8.17

"minha fase melodia"



houve uma época sinistra
em que eu não fazia outra coisa
senão ouvir pérola negra.

eu sabia que o luiz melodia
era muito louco e todo mundo tinha
uma história sobre ele ou com ele.

meu pai me contou algumas
que eu não me lembro mais.

mas ele fazia coisas impensáveis
como expulsar a banda toda
e gravar os instrumentos sozinho.

são muitas as terríveis anedotas
sobre as grandes lendas do tempo.

aliás, havia o fato de que na vida
as coisas iam pouco favoráveis –
eu ainda não sabia que seria assim
e naquela época eu ainda andava
assobiando de olhos esbugalhados
quando escapava aos automóveis
enquanto estourava luiz melodia
nos meus ouvidos ainda virgens
e eu gritava de olhos fechados
beibe te amo, nem sei se te amo
e aquilo seria a vida até o fim.

por um ou dois meses talvez um ano
foi só o que fiz e isso não me salvou.

mas era importante virar a esquina
como se fosse alguém perto da morte.

enquanto eu ouvia pérola negra
era charmoso querer morrer de vez.

3.8.17

"quando você viaja"


para bichita

quando você viaja
por um ou dez dias
eu deixo de ler os vivos
eu perco o sonho na rua
violo a desgraça da vida.

quando você viaja
as coisas ficam todas
me olhando com raiva
eu me ressinto de falar
e nunca eu falo tanto
quanto quando você viaja.

no primeiro dia os gatos
se aproximam como padres
para uma extrema-unção
sem ti eles vivem porque
podem me cuidar
pobre de mim
a quem resta alisar
seus pelos pois que os gatos
eu sei são o elo da nossa loucura
nesse mundo de adultos.

mais à noite escarro tufos
inapeláveis porque você
entorta meus ponteiros
arromba meus instintos
e eu sei que a situação
é preocupante eu deveria
estar falando sobre
a experiência acachapante
de estar vivo num mundo
que enlouqueceu eu queria
fazer um poema sobre sermos
fortes e dignos apesar de tudo
enquanto ainda precisarmos
salvar o mundo de nós
eu gostaria de fazer um poema
que servisse para alguma coisa.

inevitavelmente você viaja
por um ou dez dias você
crava as garras no mapa
e me firo com as esporas
de uma vida sem salvação.

os amigos ainda falam
parecem todos que bom
mais lúcidos do que eu.

alguns acenam do outro
lado da rua no que surdo
meu coração estremece.

então a rua se arromba
nesse abismo intocável
violácea lembrança
de meus pulsos ruins.

eu preciso ouvir você
respirar no meu ouvido
e mesmo com sinusite
eu quero que você volte
para rachar meu crânio
com espadas de amor.

durmo e não transpiro
enquanto te imagino
amazona inquebrantável
arrastando com distância
meus planetas mortais.

22.7.17

“você adoece”


gritamos e apontamos dedos
um para o outro porque somos
dois operários exaustos de folga
dois operários que não sabem
se poderão sem perder a vida
permanecer operários não artistas
porque artistas são tua coca-cola zero
artistas são meu pão-doce subindo a escada.

simbolizamos juntas doídas e fuligem
despejadas em nossa cara comum.

gritamos um com o outro porque
o amor é uma palavra paupérrima
o amor é um operário de fábrica
ele precisa torcer-se ao meio para
que os descansados procriem futuro.

o amor é um sofrimento dizia
aquela atriz melancólica
que achamos muito velha
para fazer aquele papel
e eu argumentei mas em 1905
ter trinta e cinco era ser velhíssimo
e ser melancólico era ter juventude.

gritamos um com o outro apontamos
nossos dedos porque queremos mostrar
ao amor o caminho essa peste bubônica.

um pouco mais para a esqueda direita
passos rápidos agora sente no meu colo.
gritamos um com o outro ainda temos
dedos porque somos um ponto vermelho
no mistério negro arco da estratosfera.

gritamos um com o outro você adoece
tenho raiva porque teus olhos queimarão
de febre por algo que não será mais eu.

9.7.17

"sacos plásticos"


nalgum ponto do dia ou
nalgum ponto da noite em
qualquer cidade em que esteja,
guardo os sacos bons, os resistentes,
sacos fortes onde caiba todo lixo.

geralmente são amarelos,
poucas vezes cor de rosa,
muitos sacos vem furados
e, através dos furos no plástico,
posso ver meus pés destruídos.

tornei-me, vagarosamente,
nos intervalos dos golpes,
um recolhedor de sacos bons,
sempre à procura do mais firme,
do mais gracioso e colorido saco.

por vezes me bato com as velhinhas
nas padarias e nos supermercados,
elas, com menos tempo que eu,
também sabem quanto vale um saco,
um saco firme, resistente, para todo lixo.

com menos tempo elas precisam de sacos
ainda mais confiáveis do que eu,
porque, com tantos sacos frágeis e furados
que passam pelas mãos de uma pessoa,
se faz um lixo pesado, um lixo de pedra.

às vezes tenho pena de usar sacos bons
quando o lixo ainda não está pela boca.
me parece um desperdício de firmeza
e nessas horas recorro aos sacos piores
na expectativa de não me sujar demais.

ontem consegui dois sacos ótimos,
um verde cor de bosta de cavalo,
como os olhos tristes do meu pai;
um azul como imagino ser a morte,
um lugar sem lixo e sem sacos plásticos.